Sutura Silhouette

Minimamente invasivo, é feito com a inserção de um fio entre a pele e a camada de gordura subcutânea, reposicionando e redefinindo contornos de pescoço e rosto – especialmente da mandíbula. Também levanta a sobrancelha e as bochechas, melhorando o aspecto de rugas e flacidez.

Como funciona?

A Anvisa liberou no final de 2013 que o procedimento fosse realizado no Brasil.  O fio é composto de ácido polilático (PLA), um polímero completamente absorvível, por isso o efeito é extremamente natural, me explicou a doutora Glades. A colocação dura 40 minutos e é feita em consultório, com anestesia local e sem cortes. Pequenos furos são realizados em pontos estratégicos do rosto com uma agulha intramuscular que conduz o fio até a camada de gordura e o acomoda ao longo do tecido. O efeito de lifting é imediato e discreto, por ser resultante da compressão e elevação do tecido no momento em que a sutura é ajustada. Após inserir a sutura, o médico aplica uma leve pressão na área do tratamento. Desta maneira, emodela a superfície da pele, deixando-a visivelmente mais lisa.

O efeito regenerativo é gradual e natural: o ácido polilático (PLA), principal componente do Sutura Silhouette, é um polímero conhecido há muitos anos na medicina (fios de sutura, pinos ortopédicos e parafusos e pregos para fraturas ósseas são todos feitos de PLA). Tais aplicações foram desenvolvidas porque este polímero em particular é biocompatível com seres humanos, além de ser totalmente biodegradável. Após a aplicação da sutura, o ácido polilático começa a agir nas camadas mais profundas da pele e ajuda a aumentar o volume nas áreas flácidas e devolve gradualmente ao rosto o seu perfil e de uma forma perfeitamente natural.